O Intermitente<br> (So long, farewell, auf weidersehen, good-bye)

O Intermitente
(So long, farewell, auf weidersehen, good-bye)

terça-feira, Agosto 10, 2004

Ainda o Fahrenheit 9/11

Artigo de Ali Kamel n'O Globo (registo obrigatório).

As mentiras de Fahrenheit 9/11

Quando o filme acabou, a platéia se levantou e aplaudiu. Como se pode enganar tanta gente assim, sem pudor, e ainda ganhar o prêmio principal de Cannes? Fahrenheit 9/11, de Michael Moore, que chamam de documentário, deveria receber outra qualificação. É um amontoado de mentiras e distorções, a serviço de uma teoria que o pior dos roteiristas rejeitaria: Bush, um idiota, é de uma família gananciosa, sustentada pelos sauditas, e, depois de tomar o poder com uma fraude, levou o país à guerra com o Iraque, que até então vivia pacificamente, apenas para que a indústria bélica à qual é ligado lucrasse mais.

O terror está a um passo de ganhar a guerra, pensei. Mas logo me tranqüilizei ao me lembrar de John Kerry se apresentando para o serviço, pateticamente batendo continência: "Não hesitarei em usar a força e não concederei a nenhuma nação ou organização internacional o poder de veto quando o assunto for a segurança dos EUA." Exatamente o que Bush fez: tentou o apoio internacional, não conseguiu, e foi à guerra, com o apoio do Congresso. Fico tranqüilo de saber que, com um ou o outro, terá continuidade a luta contra o terror islâmico, a pior ameaça que o mundo enfrenta desde o nazi-fascismo.

Aqui vou mostrar algumas mentiras do filme (há muitas outras). Uma pesquisa na imprensa americana e na internet ajudou muito. Principalmente, as informações coletadas por Dave Kopel, do partido democrata, mas eleitor de Ralph Nader, como Moore. Kopel é diretor de pesquisas do conservador Independence Institute. Conhece os desvios de Moore desde "Tiros em Columbine", porque, infelizmente, tem o defeito de defender o direito ao porte de armas. Os dados a seguir, vindos de mim, da imprensa ou de Kopel, foram checados nas fontes originais.

  • O primeiro resultado que a Fox deu sobre a Flórida foi pró-Gore, e não pró-Bush, como diz o filme. A Fox manteve esse prognóstico por seis horas até as duas da manhã, quando se retratou, dando a vitória a Bush. Mas, duas horas depois, pôs a eleição como indefinida.

  • A recontagem de votos feita por jornais não deu a vitória a Gore, "em todos os cenários". Se a recontagem fosse feita apenas onde Gore a solicitou, a vitória seria de Bush. Se a recontagem fosse geral - o que Gore jamais solicitou - a vitória iria para Gore, se alguns critérios fossem seguidos, e para Bush, se os critérios fossem outros. Se Gore tivesse sido eleito, as mesmas suspeitas de fraude pesariam contra ele.

  • Bush aparece num jantar de gala, dizendo: "Alguns os chamam de 'a elite'. Eu os chamo de 'a minha base'." Era o jantar anual da Al Smith Foundation, que recolhe fundos para hospitais, quando o convidado deve debochar de si mesmo. Gore, também convidado, fez o mesmo, mas Moore omite.

  • O filme diz que Bush passou 42% dos seus primeiros oito meses em férias, segundo o "Washington Post". O levantamento incluía os fins de semana de trabalho em Camp David. Ninguém nota, mas numa das cenas, ao lado de Bush, está Tony Blair. Tirando os fins de semana, o tempo cai para 13%.

  • O filme diz que, em agosto de 2001, Bush recebeu informe do FBI dizendo que "Osama bin Laden estava planejando atacar os EUA com aviões seqüestrados". "Bush pode ter achado o título vago", diz Moore, que corta a cena para Condoleezza Rice, revelando o título: "Bin Laden decidido a atacar dentro dos EUA." Engraçado, mas Moore omitiu o conteúdo do informe, uma colagem de informações de 97 e 98. A parte sobre aviões seqüestrados é o oposto do que o filme sugere: "Não fomos capazes de confirmar algumas das mais sensacionais ameaças como uma que nos chegou (...) em 98 dizendo que Bin Laden queria seqüestrar um avião para obter a libertação do sheik cego Umar Abd al Rahman e outros extremistas presos nos EUA."

  • Na cena em que Bush passa sete minutos sem nada fazer após o ataque, na escolinha da Flórida, o filme diz que ele ficou lendo um livro chamado "Meu bode de estimação". Uma graça, mas o livro na verdade se chama "Domínio da leitura 2" ("Meu bode" é apenas um exercício do livro).

  • O filme diz que 142 sauditas, incluindo 26 membros da família Bin Laden, foram autorizados a deixar o país, depois de 13 de setembro, quando o espaço aéreo estava fechado, graças à autorização de Bush. Ninguém teria sido interrogado. A verdade: Richard Clarke, então diretor de contraterrorismo e endeusado por Moore por ter se tornado um crítico de Bush, assumiu inteira responsabilidade pelo ato e garantiu que não pediu a autorização do presidente. A comissão do 11 de Setembro confirmou isso e atestou que todos os procedimentos legais foram observados, com o FBI interrogando a maioria. Basta ler as páginas 329 e 330 do relatório final.

  • O filme "denuncia" que o serviço secreto protege a embaixada da Arábia Saudita, mas uma de suas missões é exatamente proteger as missões diplomáticas em Washington.

  • O filme insinua que Bush recebeu delegados do Talibã, quando governador do Texas. É mentira. Eles visitaram a empresa Unocal para conhecer um projeto de gasoduto, apoiado por Clinton, deixado de lado em 98, e jamais retomado. A afirmação de que Hamid Karzai, presidente do Afeganistão, foi consultor da Unocal é mentirosa.

  • O filme diz que os Bush teriam se beneficiado de US$ 1,4 bi que os sauditas investiram na empresa Carlyle, de onde o ex-presidente Bush é consultor. E afirma que os Bin Laden também seriam investidores da empresa. A verdade: Bush só se tornou consultor da Carlyle anos depois do fabuloso investimento saudita. Os Bin Laden investiram apenas US$ 2 milhões na Carlyle, um nada perto da fortuna deles. Fora isso, o super anti-Bush, George Soros, também é um investidor da Carlyle, assim como muitos ex-assessores de ex-presidentes democratas são ligados a ela. O filme diz que a Carlyle ganhou milhões com a guerra do Iraque, mas ela teve prejuízo: a única arma desenhada para o Exército, mas não comprada pelo governo Bush, foi o Cruzado, um sistema de mísseis que custou à empresa US$ 11 bi. O ex-presidente Bush deixou há tempos de ser consultor da empresa.

  • O filme diz que Bush deu um mês a Bin Laden, pois não atacou o Afeganistão imediatamente. Moore deixa de contar que Bush passou um mês tentando obter o aval da ONU. Cobravam-lhe a "prova cabal" do envolvimento de Bin Laden, que, numa entrevista, dissera que não era o autor dos ataques, embora os aplaudisse. Moore, na ocasião, disse que, sem provas, Bin Laden tinha de ser visto como inocente. A invasão seria uma atrocidade, opinou. Poucos lembram, mas Bush invadiu o Afeganistão sem autorização da ONU. Só foi "perdoado" porque fitas de vídeo achadas em Cabul se tornaram a prova cabal.

  • O filme diz que o Iraque jamais ameaçou os EUA ou assassinou americanos. Mas Saddam sempre acolheu terroristas como Abu Nidal, que matou americanos, sempre premiou com US$ 15 mil as famílias dos homens-bombas palestinos, que mataram judeus americanos, e sempre, em discursos e entrevistas, fez ameaças espalhafatosas aos EUA. Após o 11 de Setembro, Saddam declarou que o ataque era o começo da grande revanche.

  • O número de congressistas com filhos no Exército - apenas um - está errado, são sete, dois no Iraque, um número baixo, mas para que mentir?

    O filme é esse lixo. Nossa imprensa, sem revelar as mentiras, foi mais ou menos unânime: "brilhante, mas faccioso", "histórico, mas tendencioso", "bem pesquisado, mas panfletário". Para mim, a adversativa não é um pequeno problema. Porque não se pode compactuar com a mentira e a empulhação. Sobretudo quando não é necessário mentir para ser anti-Bush ou antiguerra. O filme desmerece os pacifistas que o aplaudem. E que continuarão a aplaudi-lo, a despeito de tudo. Porque vivemos tempos em que muita gente está cega e surda. Não quer ouvir nem ver a ameaça que nos cerca.


  • posted by Miguel Noronha 3:49 da tarde

    Powered by Blogger

     

    "A society that does not recognize that each individual has values of his own which he is entitled to follow can have no respect for the dignity of the individual and cannot really know freedom."
    F.A.Hayek

    mail: migueln@gmail.com